Postagem em destaque

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Boletim Informativo, 20 de agosto de 2017


A Pública Profissão De Fé

Rev. Ivan G. G. Ross

            A Pública Profissão de Fé (e o Batismo no caso daqueles que não foram batizados na infância na Igreja Presbiteriana) é a maneira bíblica para tornar-se membro comungante da Igreja local. As Escrituras enfatizam a necessidade de confessar a fé com a boca. Foi Cristo quem estabeleceu este princípio: “Todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus; mas o que me negar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus.” Lc. 12:8-9.
            Quando alguém faz a sua Pública Profissão de Fé está assumindo compromissos inalienáveis em três áreas:
1.    É um compromisso diante de Deus em termos de fidelidade. Fidelidade às Escrituras Sagradas, porque elas são a vontade de Deus escrita. Ninguém pode ser fiel a Deus sem submeter-se a sua vontade. Tiago descreve a prática dessa fidelidade assim: “Persevera na lei perfeita, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante da Palavra de Deus” Tg. 1:25.
2.    É um compromisso diante da Igreja em termos de responsabilidades. O membro comungante representa o caráter moral e espiritual da Igreja. A sociedade reconhece a veracidade da Igreja por causa do testemunho santo e irrepreensível dos seus membros. Esta responsabilidade inclui o sustento financeiro da Igreja. Ela depende de seus membros particulares. O padrão bíblico de contribuição é o dízimo.
3.    É um compromisso diante de si mesmo em termos de cuidado espiritual. A Bíblia afirma: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo…” Mas também diz: “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.”. Portanto, o professo cuidará de ler a Bíblia e orar cada dia. Ele sabe que “Não só de pão viverá o homem, mas de cada Palavra que procede da boca de Deus.”. Com a mesma diligência, ele cuidará de estar nos trabalhos públicos da Igreja com toda assiduidade.
            Fazer a Pública Profissão de Fé é testemunhar um encontro pessoal e salvador com Jesus Cristo e confessar a sua disposição para segui-lo. A promessa de Cristo para nós é esta: “E eu lhes dou a vida eterna e ninguém os arrebatará da minha mão.” Jo. 10:28.


Avisos

Reunião de Oração
Não se esqueça de separar um tempo para oração! Toda terça-feira temos nossa reunião de oração no templo. Todos os irmãos estão convocados! Nossa reunião tem início às 19:30 horas.

Reunião do Conselho
Na próxima quinta-feira, após o estudo bíblico, teremos reunião do Conselho. Todos os presbíteros estão convocados

Estudos Bíblicos Devocionais
Temos desenvolvido uma série de estudos bíblicos devocionais. Toda quinta-feira estudamos um texto das Escrituras buscando aplicações adequadas às nossas necessidades espirituais.


Aniversariantes
20/08
Mauricio José da  Fonseca
Matinha
9130-8997
21/08
Valentina Martins V. r. de Aquino
Alto da Estação

23/08
Beatriz da Silva Costa
Alto da Estação

23/08
Tarcisio José Santos
Filadélfia
8842-8486

UCP Central
- 26/08 – 14:00H - Programação especial sobre Missões com a participação dos alunos do IBEL.

Fraldas no Varal
Nasceu o pequeno Bernardo, filho dos nossos irmãos Jorge Augusto e Maraisa, pesando 4,170 kg. Que cresça em graça e conhecimento da Palavra do Senhor.



Fórum


Rev. Reginaldo Goulart

            É a Igreja de Deus que tem uma missão ou é o Deus da Missão que tem uma Igreja? Há uma Igreja, portanto há uma missão ou... o contrário? A quem pertence a Missão, a Deus ou à Igreja?
            Nascida sobre o fundamento dos apóstolos, a Igreja propagou-se com características missionárias nos dois primeiros séculos de sua expansão.
            A partir do terceiro século, a Igreja assumiu uma característica mercenária ao ser ‘vendida’ ao paganismo imposto por Constantino, Imperador Romano, e assim surgiu a Igreja Romana, fruto do ‘casamento’ da Igreja com o poder político.
            La pelo sec. X, começou uma nova fase, a da Igreja reacionária, impulsionada pelos movimentos da pré-reforma, através dos Valdenses, de John Huss, Wycliffe e outros e que culminou com os reformadores Lutero, Zwínglio, Calvino e John Inox, no Sec. XVI.
            Seguiu-se depois, por mais uns 500 anos, uma Igreja com característica visionária – com visão de expansão missionária e movimentos missionários se espalhando por todos os continentes – com destaque ao movimento morávio e com os precursores das missões modernas: William Carey, Hudson Taylor, Charles Studd, David Livingstone, Adoniran Judson e outros.
            Até meados do século XX, vivemos o sonho de uma Igreja missionária Reformada, mas com o surgimento dos movimentos neopentecostais, adentramos o século XXI com uma Igreja com marca comerciária – que negocia os valores da fé e troca bases sólidas da sã doutrina por ‘pedras’ de suntuosos templos e imponentes catedrais.
            Portanto, que marcas, que impressões, que perfil tem a Igreja da Missão? O que Deus busca em uma Igreja para a Missão? Qual o DNA da Igreja da Missão?
            É a Igreja da Palavra de Deus – a missão é de Deus e o Deus da Palavra deu a Igreja como instrumento da Missão. Não conhecer Missão de Deus equivale a não conhecer o Deus da Palavra!
            É a Igreja Instrumento do Reino de Deus – a propagação do Reino consiste em uma ação missionária até os confins da Terra, em todas as línguas e em cada cultura. A visão da Igreja tem que ser a visão de Deus.
            É a Igreja do Poder de Deus – que é portadora do Espirito de Deus, com poder para a ação evangelizadora e libertadora do Evangelho pregado fielmente. Sem poder como pode ser Igreja?
            É a Igreja Martírica a exemplo do Filho de Deus – pautada pelo serviço sacrificial dos mensageiros, fieis discípulos d’Aquele que tudo fez a favor de muitos. Servo Sofredor de uma Igreja sofredora!
            A Igreja da Missão é o único instrumento que Deus usa e dispõe para levar a cabo Sua Missão, não há outro meio de concluir a Missão, senão pela Igreja da Missão!
            Deixemos de nos desgastar procurando saber ou conhecer qual a Missão da Igreja. Antes, avaliemos se somos a Igreja da Missão, se o mundo perdido percebe e pode reconhecer que somos a Igreja da Missão, e se esse mundo se identifica e vê claramente em nós as marcas de uma Igreja do Deus da Missão.


ESTUDO DIRIGIDO PARA CULTO DOMÉSTICO

Texto: Lucas 10.21-24

Tema: Os axiomas da Salvação

            Axiomas são verdades inquestionáveis por sua clareza e, no que diz respeito á doutrina da salvação existem alguns que precisam ser rememorados. Desta forma, na mensagem desta semana consideraremos alguns deles, entendendo, desde agora, que a salvação é uma obra soberana de Deus para o seu inteiro agrado. Desta obra o pecador eleito é objeto e, ao receber a benção da salvação, deve se voltar agradecido ao Senhor por resgatá-lo do seu estado de condenação, dando-lhe vida salvação e vida eterna.
            Você conhece realmente o tamanho da benção que é a salvação?

1) Por que Jesus rendeu graças ao Senhor do céu e da terra? O que você entende por isso?

2) No verso 22 Jesus diz que só podemos conhecer o Pai por intermédio dele. Isso nos faz lembrar que ele é o único caminho, a verdade e a vida. Que tipo de atitude devemos ter diante desta verdade?

3) Os versos 23 e 24 dizem que os que viram os sinais de Jesus eram bem aventurados. Mas veja o que diz também Jo. 20.29. Faz alguma diferença para você não ter visto Jesus fisicamente? Por que?

4) Na obra de salvação que Jesus te deu o que mais te impressiona?